Comunidade

    Encontre seu verdadeiro eu sobre 8 rodas

    Um grupo de patinadoras autodeclaradas excêntricas mostra como a comunidade pode criar um refúgio seguro para o esporte.

    "Em Ótima Companhia" é uma série sobre times e clubes atléticos que desafiam o status quo.

    A patinação está voltando? Pergunte a esse grupo de patinadoras assíduas que praticam suas manobras há anos em Long Beach, Califórnia, e elas dirão que o esporte nunca desapareceu: foi a atual crise global que fez com que mais pessoas prestassem atenção. "Com permissão apenas para realizar atividades ao ar livre, muitas pessoas aproveitaram para aprender algo novo, dar uma volta ou resgatar a liberdade que não tinham durante o lockdown", diz Kiana, que se encontra frequentemente com esse grupo de atletas para derrubar as barreiras de seu esporte (e estilo) juntas. Como muitas arenas e pistas internas de patinação fecharam, o time de patinadoras recorreu às ruas e à sua própria rampa de patinação decorada com arco-íris no quintal.

    Mas o quintal e as ruas nas quais esse grupo de amigas praticam patinação regularmente representam apenas uma fração de seu alcance. Na internet, sua comunidade cresceu e passou a incluir patinadores de todo o mundo. Por meio de videochamadas e redes sociais, eles se conectam, aprendem novas manobras, melhoram seus movimentos e apoiam uns aos outros em uma missão de promover a positividade corporal e de gênero, inclusividade e confiança em todos os continentes. Para todos eles, o esporte representa um refúgio seguro para quem sente que não representa a definição ou a aparência de um atleta tradicional. "Posso demonstrar amor por outros patinadores por meio de incentivo e celebração", diz Jes, uma das patinadoras. "Demonstrar amor é demonstrar inclusão: de coração e braços abertos, permitir que as pessoas se sintam acolhidas". Alguns membros do grupo dizem ter memórias de infância em que foram humilhados após caírem de patins, mas contam que voltar a patinar quando adultos os ajudou a superar esses traumas. "Em vez de rirem de mim, as pessoas me apoiam", diz Jes.

    Conheça as patinadoras

    Rebel

    Uma líder na comunidade local e global, Rebel, de 29 anos, conduz um grande projeto nas redes sociais chamado "Queer Girl Straight Skates". Ele inclui um podcast chamado "Skate Date", que ela usa para reunir patinadoras de todo o mundo com o objetivo de impulsionar sua confiança da mesma forma que a patinação impulsiona a dela. "Quando comecei a patinar, eu não me sentia bem-vinda na comunidade do jeito que sou, mas me disseram que meu corpo era uma ferramenta poderosa que me ajudaria a ser incrível", ela diz.

    Shove

    Shove, de 34 anos, é uma artista que trabalha na Moxi Skates e parceira de Rebel. As duas, que se conheceram em um curso de roller derby, amam se jogar nas rampas e nas ruas com seus looks de brechó. "Não vejo a hora de essa pandemia acabar para organizar uma imensa passeata com centenas de patinadores nas ruas de Long Beach", diz Shove. "Sinto falta da união que tínhamos antes. Quando recuperarmos isso, o amor pela patinação será incrível!"

    Jes

    Jes, 28 anos, conheceu o esporte por meio de Shove. "Ela queria me ensinar como fazer um hill bomb (downhill com um pouco de freio)", ela conta. Jes acabou experimentando após muito incentivo. "Eu me tremia toda porque pensava que ia cair de boca no asfalto, mas não caí", diz ela. Hoje em dia, seu estilo é baseado em se manter relaxada. "Eu faço cruisers pela pista, incluindo algumas manobras de vez em quando. Tento me manter calma. Não dá para ter pressa quando você está em um cruiser", ela diz.

    Estro Jen

    Fundadora da loja on-line Moxi Roller Skates, Estro Jen está envolvida com a comunidade da patinação desde sua infância. Embora sua incansável defesa pelos patinadores chame a atenção, são suas manobras aéreas que fascinam os espectadores. Quando não está patinando, ela atua como dublê profissional em grandes filmes de super-heróis em Hollywood. "Somos intensas, e ter amigas patinando com você é fundamental para se sentir bem, além de te motivar a continuar", ela diz. "Acho que os patins são os tênis do futuro".

    Kiana

    Uma menina de 10 anos convenceu Kiana a experimentar a patinação quando ela tinha 18 anos. "Ela me inspirou bastante e me ensinou muita coisa", conta Kiana, 23 anos. Uma das integrantes mais jovens da equipe, Kiana encontra incentivo em suas companheiras, mas também é fera patinando sozinha com uma maquiagem colorida de palhaço, provando que tem personalidade por si só. "Vejo a patinação como uma forma de canalizar o estresse e a criatividade enquanto me divirto".

    Alguns nomes e informações pessoais foram alterados para proteger a privacidade das pessoas incluídas neste artigo.

    • Vídeo: Erynn Patrick
    • Fotografia: David Elliott
    • Texto original: Tristan McAllister